Govinda Turismo Viagem India Pacotes Preço Passaporte
Duração: 01 dez 2018 - 20 dez 2018
Solicite Preços
>> Home > Pacotes de Viagem > Jornada Sagrada ao Sul da India

 
Jornada Sagrada ao Sul da India

 

GRUPO DE 2018 LOTADO
Faça sua reserva para o Grupo de 2019
  • Sul da Índia
  • Duração: 20 dias
  • De: 21 Janeiro 2019 a 07 Fevereiro 2019
  • Principais Cidades: Chennai, Pondicherry, Auroville, Tiruvannamalai, Arunachala, Kanyakumari, Varkala, Kovalam

Solicite Preços


“Reverencio aos Mestres Espirituais da India,
Paramahansa Yogananda, Ramana Maharshi,
Sri Aurobindo, Vivekananda
e todos os Mestres de Luz que nos ensinam a reconhecer a
verdadeira essência de quem somos!
Que nos façam dignos de conduzir a todos, aos que tem coração sensível
a Mahabharata, a Grande India!”


Depois de muitos anos caminhando pelo solo sagrado, desde as montanhas geladas dos Himalaias aos remansos em meio aos coqueirais do Sul da India…

Sentimo-nos honrados em apresentar mais esta Viagem, e desta vez ao Sul da India, para revelar o que de mais belo encontramos, em termos espirituais e em termos de belezas naturais.
Vamos percorrer dois estados do extremo Sul da India, Tamil Nadu e  Kerala. Tamil Nadu, famoso pelos seus templos hindus carregados da tradição, com a energia de deidade Shiva desabrochando intensamente.
E Kerala, um pequeno estado na costa do Mar Arábico, coberto por uma vegetação tropical,
lugar mágico que significa a Terra dos Coqueiros.


 

 

CHENNAI

O porto de entrada na India, desta vez será a charmosa cidade de Chennai. Iniciando aqui esta jornada.

Chennai é a capital do estado de Tamil Nadul, um importante centro industrial e portuário na Baia de Bengala, desde a época em que a India era colônia da Inglaterra. É a quarta maior cidade da país, depois de Calcuta, Mumbai e Nova Delhi. E nesta cidade caminharemos pelo calçadão em frente a “Marina Beach”.

 

AUROVILLE (Pondicherry)

Compreender Auroville não é tarefa fácil, ouvi um dia, de um morador desta Ecovila. Mas propomos vê-la e senti-la, para em algum nível sermos tocados pela forma de viver  local.

Então de Chennai seguimos para a cidade de Pondicherry, para conhecer uma vila em especial, mais especificamente uma eco-vila, chamada Auroville, a cidade da Aurora, cidade do Amanhecer…

Ficaremos hospedados dentro desta Ecovila, para podermos ver mais de perto a sua proposta de vida.
Para começar a compreende-la, segue…Um pouco da Historia de Auroville…

Auroville foi um ideal concebido por uma francesa chamada Mera, que era conhecida como a “Mãe”. Ela vai para India nos anos 20 e permanece no país. Encontrou Sri Aurobindo, seu mentor espiritual e juntos construíram uma comunidade espiritual (Ashram) em Pondicherry, Ashram que também vamos conhecer.

3-2-compressor

Nos anos 50, ela concebe a ideia de uma cidade, onde as pessoas vivem de forma harmoniosa, baseada nos princípios da Yoga Integral de Sri Aurobindo. Pensada como um laboratório, onde as pessoas pudessem experienciar uma nova forma de viver, com mais harmonia e especialmente com mais união, sem distinção de raça, nacionalidade, ou credos.

Ela faz um esboço da vila, e entrega a Roger Anger um arquiteto famoso de vanguarda da França,  esta missão divina de projetar este sonho em realidade. Eles apresentam o projeto para a ONU o qual foi aprovado.

O terreno onde eles iriam construir a vila, de aproximadamente 20 quilômetros quadrados, era totalmente árido e estéril e os pioneiros imbuídos da força do ideal, re-florestaram toda a área.

A “Mãe” marcou um ponto no mapa, onde seria o centro desta Ecovila, no ponto onde ela marcou o centro, existia uma árvore, Banya Tree, que é uma árvore sagrada na India, em meio do deserto.

Hoje esta árvore é o centro de Auroville. E a primeira construção que eles ergueram, foi um templo, chamado Matrimandir (o templo da Mãe) em forma de uma bola de ouro, ao lado da árvore, simbolizando o nascimento de uma nova consciência.

Matrimandir-compressor

A  ecovila foi projetada em uma forma espiralada, inspirado na forma do nosso próprio universo, tendo como o centro, justo a árvore e o Matrimandir.

No dia da inauguração, em 1968, estavam presentes mais  de 5.000 jovens de 124 países, que depositaram um punhado de sua terra natal, para misturá-lo simbolicamente com a terra de Auroville, sob uma estrutura de mármore na forma de um botão de lótus, juntamente com uma carta escrita a mão, pela “Mãe”, selando assim uma mensagem e promessa poderosa.

3-4-compressor

Hoje essa comunidade tem cerca de 2.000 pessoas vindos de muitos países, inclusive o Brasil, que vivem em busca da construção  e manutenção deste ideal. A vila possui escola, restaurantes, padarias, hospitais, cinemas e lojas. Investe em tecnologias sustentáveis e tem uma arquitetura contemporânea.

Há um estímulo especial a práticas sustentáveis. Há diversas comunidades cada uma delas desenvolvendo projetos específicos. A maioria está dedicada à agricultura, desenvolvendo técnicas para a produção sustentável. Há também outras comunidades mais focadas na arquitetura e construção, desenvolvendo e experimentando novas técnicas.

Ali, vive-se na contramão do capitalismo. Crescer não é a prioridade.
Qualidade de vida, isso sim é uma aspiração imediata.

Seus residentes continuam a levar esta mesma visão ideal  em seus corações e mentes, dando esperanças. Os desafios são enormes, mas a ousadia os sobrepõem.

3-5-compressor

 

TIRUVANNAMALAI

Tiruvannamalai, no Sul da Índia, poderia ser apenas mais uma simples cidade em meio a centenas de outras, desse país milenar, mas distinguiu-se entre todas, pois foi nesse lugar, situado aos pés do Monte Arunachala, que viveu um homem extraordinário, que deixou um legado de ensinamentos de Luz para a Humanidade. SRI RAMANA MAHARSHI (1878 — 1950). Hoje um dos lugares mais venerados do estado de Tamil Nadu.

O termo “Thiru” significa grande e “Annamalai”  divina montanha e a palavra  A grande divina montanha.

Visitaremos o Templo Arunachaleswara

Na cidade, está localizado o maior templo da India dedicado ao deus Shiva. É considerado como um dos cinco templos de Shiva mais importantes na tradição hindu.

Esse templo representa a encarnação do deus Shiva como o elemento Fogo, representado pelo próprio “Lingam”.

O registro mais antigo conhecido sobre esse templo remonta a pelo menos 2.000 anos antes dos registros oficiais. Mas a atual estrutura data de aproximadamente 1.200 anos.

É um templo favorito das famílias para realização de casamentos porque os noivos vão receber as bênçãos de Shiva e Parvati.

Mestre Sri Ramana Maharshi morou no templo, tão logo chegou a cidade de Tirunnamavalai, em 1896, viveu lá por cerca de seis meses, até que se mudou para o pequeno templo de Gurumurthan. O templo também abrigou outros mestres reconhecidos e admirados.

3-6-compressor

A Colina Arunachala

Ao longo dos séculos, muitos santos e yogues têm sido atraídos para Arunachala, muitas vezes morando em suas cavernas. Nos tempos modernos o grande Mestre de Arunachala foi Ramana Maharshi.

Das palavras de Ramana…

“Uma colina magnética que atrai a alma, uma forma mística de dizer, volte-se para dentro e sua única realidade será revelada, e sua mente será levada ao caminho da auto-investigação.”

A vida de Sri Bhagavan ilustra o seu grande amor por Arunachala.

Na Índia, há inúmeros locais sagrados para o Senhor Shiva, e muitos deles, mais conhecidos e populares do que Arunachala. Mas são ditos como moradas do Senhor Shiva no entanto Arunachala, é dito ser o próprio Shiva!

Portanto, para aqueles aspirantes, que buscam pôr fim à falsa aparência de dualidade, uma ajuda poderosa pode ser encontrada em Arunachala.

Sri Ramana Maharshi recomendava fortemente que os devotos circulassem a colina de Arunachala, especialmente em noites de Lua Cheia, repetindo mentalmente a frase, “Quem sou eu?” com um coração sincero, e segundo a tradição védica receberiam interiormente a resposta.

Subiremos na montanha, conhecendo as cavernas onde o Mestre morou durante muitos anos. Assim como faremos a circumbulação ao redor dela, conforme Ramana recomendava.

Bhagavan Sri Ramana Maharshi (1878 – 1950)

3-7-compressor (1)
Ramana era chamado pelos discípulos de “o Mestre do Silêncio” pois por inúmeras vezes sua mensagem era transmitida sem pronunciar nenhuma palavra.
Vivia de maneira absolutamente simples, vestindo apenas um tipo de calça indiana, sem camisa a maior do tempo, quer fosse inverno ou verão.

Mestre Vedanta, considerado um dos maiores sábios de todos os tempos, tornou-se conhecido no Ocidente especialmente através do livro “A Índia Secreta”, do jornalista e escritor inglês Paul Brunton, que retratou os ensinamentos de Ramana, transmitidos, na maioria das vezes, em silêncio absoluto aos seus discípulos.
Outro autor famoso que deu destaque à Ramana Maharshi foi Paramahansa Yogananda, na Autobiografia de um Iogue, ao visitá-lo durante seu regresso à India em 1935.

Outro famoso espiritualista que foi ao Ashram receber o darshan (benção) de Ramana foi Mahatma Gandhi, em busca de apoio para seu movimento de libertação da Índia.

Sri Ramana Maharshi foi o grande representante da sabedoria milenar da Índia no século XX. Isso não significa que ele foi um acadêmico dos textos sagrados, mas sim que viveu e mesmo personificou à perfeição tal sabedoria.

Na verdade, ele não escreveu nenhum livro, ensinava de forma direta.
HISTORIA DE SUA VIDA…

3-8-compressor

Sri Ramana Maharshi nasceu no sul da Índia e aos 16 anos, após uma experiência relacionada à sua própria morte despertou para o estado denominado de realização espiritual.

Abandonou sua casa e família e partiu como sadhu (peregrino) para a cidade de Tiruvannamalai, onde passou o restante da vida na montanha de Arunachala.
A princípio, viveu no grande templo de Arunachaleswara, permanecendo absorto em meditação, no saguão conhecido como o de “mil pilares”, de onde teve de se mudar, em razão das pedras que lhe eram atiradas por um bando de meninos que o viam imóvel no local.

Passou então a viver em um escuro vão no sub-solo do templo, mas os moleques cedo o descobriram, e continuaram a atirar-lhe pedras.

Teve de se mudar muitas vezes e passou a residir em vários outros santuários e locais adjacentes ao templo, como jardins, bosques e pomares.

Pouco a pouco foi subindo a montanha de Arunachala, onde viveu em diferentes cavernas e passou a ser conhecido como o “Maharshi” (grande sábio ou vidente), e “Bhagavan”, o Senhor.

Lenta e gradualmente, discípulos foram se reunindo à sua volta. Vinte e sete anos após a sua chegada a Tiruvannamalai, um “ashram” ou comunidade espiritual foi construído ao redor do túmulo de sua mãe, aos pés da Montanha Sagrada de Arunachala, onde passou a residir até o fim de seus dias.

Essa comunidade, chamada “Ramanashram”, tornou-se um local mundialmente conhecido, para onde se dirigiam (e ainda se dirigem, em número crescente) buscadores espirituais de diversas origens religiosas. ONDE FICAREMOS HOSPEDADOS.

ashram-ramana-maharshi

Seus ensinamentos, magistralmente simples, profundos e lúcidos, estão registrados em grande número de livros.

Diversos autores escreveram sobre ele; entre outros, Arthur Osborne, em “Ramana Maharshi e o Caminho do Autoconhecimento”, Mouni Sadhu em “Dias de Grande Paz”, Carl Jung, a pedido de Heinrich Zimmer, Somerset Maugham, em “O Fio da Navalha”, William Stoddart, em “O Hinduísmo”, Mateus Soares de Azevedo em “Ye shall know the truth: Christianity and the Perennial Philosophy” (EUA, 2005), David Godman, Sadhu Om, H. Poonja, Maha Krishna Swami.

Sua presença, que irradiava uma grande paz, tornando fácil e natural a convivência na comunidade, inclusive com os animais selvagens que habitavam a montanha, atraiu milhares de pessoas a Arunachala.

A essência dos seus ensinamentos é o “Vichara” (self-enquiry), ou investigação direta interior, por meio dos questionamentos: “Quem sou eu?” e “De onde surge o pensamento ‘eu’?”, para a descoberta da Verdade, Paz ou Bem-Aventurança.

Afirma-se que, no momento em que Sri Ramana faleceu, 14 de abril de 1950, um magnífico astro, majestosa e lentamente, cruzou os céus da Índia, sendo visto em grande parte do país por inúmeras pessoas, que espontaneamente compreenderam o evento que ele anunciava.

3-10-compressor

KANYAKUMARI

Kanyakumari é o ponto mais extremo sul da Índia, no estado de Tamil Nadu, já fronteira com o estado de Kerala. Neste ponto há o encontro do Mar Arábico, Golfo de Bengala e Oceano Índico, e também por isso considerado um local sagrado. O exato ponto é chamado Triveni Sangam.

Na lua cheia de Abril (Chaitrapurnima) um fenômeno raro e belo aqui pode ser presenciado, o pôr do sol e o nascer da lua vistos simultaneamente. 

Mahatma Gandhi também visitou Kanyakumari, e foi um dos locais onde as cinzas da cremação de Gandhi foram lançadas.

kanyakumari

Templo da Deusa Kumari

A história do templo é tão magnifica quanto as belas paisagens naturais em torno dele. Um templo dedicado a Deusa Parvati, esposa de Shiva, na forma de menina adolescente. “Kanya” – Mulher e “Kumari” virgem. Kanyakumari tem um grande significado para os hindus, e por isso um importante centro de peregrinação.

A adoração de Devi Kanya Kumari remonta aos tempos védicos. Ela foi mencionado no Ramayana, Mahabharata. Conta a mitologia védica, que a deusa Kumari, orou ao Senhor Shiva para ser aceita como esposa por ele.
Memorial Vivekananda Rock

No oceano, a 400 metros da costa, há duas rochas, conhecidas como rochas gêmeas, ambas tornaram-se monumentos em homenagem a grandes filósofos indianos, Vivekananda e Tiruvalluvar.

Swami Vivekananda , o poeta e filósofo indiano, veio pedir a benção de Devi Kumari, passando longos períodos de tempo meditando sobre esta rocha, inclusive antes dele ir ao Parlamento Mundial de Religiões de Chicago em 1893. Há uma crença que o templo Kanyakumari original, houvesse sido construído inicialmente sob esta rocha.

Estátua do santo Tiruvalluvar
Em homenagem a um dos seus grandes poetas e filósofos Tiruvalluvar, uma estátua as margens de Kanyakumari foi edificada. Tiruvalluvar, nascido a cerca de dois mil anos atrás, pouco se sabe sobre a vida deste filósofo. Sua obra Tirukkural (“Sacred Couplets”),   foi considerada uma obra prima do pensamento humano, com suas idéias revolucionárias.

Ele procurou mostrar às pessoas, através de seus aforismos, que elas poderiam levar a vida de chefe de família, e, ao mesmo tempo, levar uma vida divina, não havendo necessidade de deixar a família e se tornar um Sannyasin para levar uma vida devotada ao divino.

kanyak

VARKALA

No estado de Kerala, visitaremos as cidades de Varkala e Kovalam. Em Kerala estão os centros mais tradicionais de tratamento da medicina Ayurvédica. Este pequeno estado é uma pequena faixa de terra verde, é uma região excepcionalmente desenvolvida, um estado altamente politizado, com o maior índice de alfabetismo do pais, cerca de 90%.

barkala

Um clima tropical, com chuvas abundantes, assegura um fornecimento ininterrupto de frutas frescas, vegetais, cereais, nozes, grãos, ervas e especiarias. Os pescadores de Kerala, ao longo dos 600km de uma costa maravilhosa, abastecem com peixes frescos o mercado da cidade. A base da alimentação da população é o arroz, uma vez que ele é muito abundante.

A praia em Varkala é um lugar perfeito para assistir o pôr do sol ou relaxar olhando para o horizonte. A área é coberta com coqueiros, e cercado de altas falésias, penhascos de 500 metros. Onde ficaremos hospedados num Resort beira-mar.

varkala

KOVALLAM
As casas flutuantes de Kerala eram antigamente utilizadas para carregar arroz, coco e outras commodities. Mas nos últimos tempos como foram substituídas por outros modos de transporte modernos, entraram em desuso, e uma nova utilidade surgiu, como uma nova roupagem. Atualmente, uma idéia inovadora de utilização como uma forma de relaxamento de férias, restaurou essas majestosas  embarcações, onde ficaremos hospedados.

kovalam

Os remansos de Kerala são uma rede de canais interligados, rios, lagos e baías, um sistema labiríntico formado por mais de 900 km de vias navegáveis, que corre quase que paralela à linha de costa do sul do Mar Arábico, estendendo-se praticamente na metade do comprimento do estado de Kerala.

No meio desta paisagem há uma série de vilas e cidades, que servem como as partida ao ponto final de cruzeiros pelos remansos.

3-19-compressor

OS CONVIDAMOS PARA ENTRAR NESTA JORNADA…

  Para além dos limites do turismo que por si só se torna surpreendente, convidamos para um tempo e um espaço de trazer infinitas paisagens, pausas, olhares, reverências que tocam e revelam para nossa consciência a manifestação do divino .

Por Rebeca Angelica Verma

 Varkala-compressor

 

Solicite Preços

 

TOPO

gtwa web design | engine by wp